Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Os preços dos bilhetes de concertos

por Carolina, em 26.11.15

Foi anunciado que a menina Adele vai pôr os seus pezinhos no nosso cantinho à beira-mar plantado por meados de maio do próximo ano. Pois que assim que vi a notícia desatei a gritar para a sala, onde estava a minha irmã, a informação. Tudo muito bem, já estávamos a fazer planos à nossa vidinha de forma a podermos ir, quando me deparo com o preço dos bilhetes (pormenor nada importante). 75€ para o Balcão 1, geralmente onde tento sempre ficar.

Agora coloco a questão: Deve ser o artista a adaptar-se ao panorama económico dos países por onde passa, ou devemos ser nós a fazer um esforço e pagar quantias que ficam muito longe do que o nosso estilo de vida nos permite?

Na minha opinião acho que passa por uma questão de equilíbrio. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Não espero que um artista dê um concerto por uma ninharia, mas chegar praticamente aos cem euros por lugar? Parece-me um exagero, especialmente por estarmos numa altura de crise. Se o artista vale essa quantia? Claro que sim, e provavelmente até mais, mas isso não significa que a sua "audiência" o possa pagar. É por isso que acho que os artistas deviam ter em conta os sítios onde vão atuar, e adaptar os valores de forma a não ser completamente estapafúrdio dizer "paguei x para ir ver a Adele".

A conversa anda sempre à volta do mesmo: dinheiro. Não fosse isso e já estava certinho que ia ver a Adele. Assim, tenho que me revirar toda, fazer uns contorcionismos e ver se me cai alguma coisinha dos bolsos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


52 comentários

Imagem de perfil

De Miss Messy a 26.11.2015 às 16:54

Partilho da mesma opinião, acaba por ser um absurdo!
Imagem de perfil

De Chic'Ana a 26.11.2015 às 16:57

75€??? Cruzes! É muito caro!!
Imagem de perfil

De Sofia Sequeira a 26.11.2015 às 17:02

Partilho da mesma opinião... Mas quer ponham os bilhetes a 5€ ou a 150€, por mais crise que exista, o concerto vais esgotar em menos de nada. Enfim.
Imagem de perfil

De Sara a 26.11.2015 às 17:44

Não me aparece que a equipa da artista (porque obviamente não é ela que trata do assunto) se preocupe muito com as condições sócio económicas dos países...A coisa é marcada quem quer vai quem quer não vai - e certamente muita vai. São luxos: concertos, cinema, livros...Infelizmente não são comportáveis para muita gente, se bem que também é preciso dizer a verdade: há muita actividade cultural acessível. Passa também por uma questão de mentalidade.
Imagem de perfil

De Carolina a 26.11.2015 às 18:05

Também me parece que não há essa preocupação, mas devia. Nem que fosse pela parte da organização de eventos do país onde este se realiza (neste caso a Everything is New).
São luxos, mas não deviam ser, a questão fundamental é essa. A cultura não deve ser um luxo. Sim, claro que há muitas atividades acessíveis e até gratuitas, mas não chega. O facto de existirem essas opções não implica que os bilhetes de concertos não possam ser mais baratos, especialmente quando atingem este tipo de valores.
Imagem de perfil

De Sara a 26.11.2015 às 18:19

Claro...Mas a realidade prática da cultura infelizmente é esta: uns queixam-se dos preços, outros da falta de apoios, espaços a cair de podres e um ministério moribundo - não há como baixar preços nestas condições. É um problema profundo e grave...De resto podes ter um bailado gratuito e vê quantas pessoas vão aproveitar (vejo isso pelos livros) - é toda uma mentalidade a precisar de ser alterada, bem como uma série de factores externos.
Imagem de perfil

De Blueberries a 26.11.2015 às 19:26

E vai estar a umas 3 horinhas daqui, também ando a pensar de vou ou não, mas ainda nem vi os preços.
Um beijinho.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 26.11.2015 às 19:51

Os concertos estão muito caros, mas a verdade é que esgotam.
Eu gostava de ir ao concerto dos U2 e não vejo como.
Os preços dos bilhetes andarão pelo 90 euros, como em França, por isso, mais vale nem pensar no assunto.
Imagem de perfil

De Sofia Almeida a 26.11.2015 às 23:27

Ando às voltas com o mesmo problema pois quero ir ver o Bryan Adams em Janeiro e os bilhetes para a plateia, de pé, estão a 42€. Quando fui ver há quatro anos ainda só estavam a 35...

A verdade é que, hoje em dia, é só assim que os artistas ganham dinheiro. Falo da pirataria, é claro, mas mesmo a compra de música pela Internet é muito mais barata . Uma canção existe imenso trabalho: cantores, compositores, produtores, instrumentistas. Antigamente, não era possível comprar músicas individuais, tinham de vir em disco ou CD com mais dez. Hoje vendem-se a um euro cada. Não há retorno. Eu ainda tento comprar CDs, mas é mais por uma questão de nostalgia do que por outro motivo qualquer e, para ser sincera, vejo cada vez menos vantagens. Eu gosto de comprar música no dia em que é lançada mas os CDs vêm sempre com atraso de dias, às vezes mais do que uma semana, mesmo quando os encomendo por Internet. Seria muito mais fácil pré-comprá-los no iTunes, que saem mais baratos e estão disponíveis desde a meia-noite do primeiro dia.

Como tal, os artistas quase só fazem dinheiro em concertos, que é a única coisa que a Internet não consegue distribuir gratuitamente. Daí os preços mais altos. Eu ainda acho que vale a pena, que eu geralmente só vou a um concerto por ano e é sempre inesquecível. Dizem que o dinheiro traz mais felicidade quando, mais do que objetos, compra experiências - concertos de música são um excelente exemplo. Mas se continuarem a aumentar os preços...
Sem imagem de perfil

De Flávio a 28.11.2015 às 03:00

Uaú...casa comigo?
Imagem de perfil

De arita a 26.11.2015 às 23:59

É de facto um exagero! Também gostaria imenso de ir, mas visto o preço dos bilhetes, mais facilmente dou esse valor por um dia do Alive ou mesmo do RIR. Pelo menos o valor dar-me-á acesso a mais que um concerto.
Sem imagem de perfil

De Escandalosa a 27.11.2015 às 11:24

É um concerto só para alguns.
Imagem de perfil

De Heidiland a 27.11.2015 às 11:29

E acredita vai esgotar...eu tive o mesmo desgosto quando o Michael Buble esteve em Lisboa e ia tento dois piripaques: um com os preços e outro quando passado umas horas estava tudo esgotado.

Comentar post


Pág. 1/4






Arquivo


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




blogging.pt