Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Os sacos e a "ecologia"

por Carolina, em 09.03.15

Descobri esta semana, ao ler a Visão, uma perspectiva que não era, de todo, a que eu tinha sobre esta coisa de agora se pagarem os sacos de plástico.

Sempre defendi, mesmo antes desta medida entrar em vigor, que os sacos de plástico tinham que deixar de ser-nos dados assim sem mais nem menos (aliás, para mim os sacos de plástico desapareciam e criavam-se alternativas mais ecológicas). Sempre apoiei o facto de se levar sacos de casa, para não gastar mais do que é preciso. Por outro lado, também sempre reutilizei esses mesmos sacos. Ou para o cocó dos gatos, ou para a reciclagem (mas alguém deita lixo directamente para o caixote sem utilizar saco?). Apesar disso, acabo por achar bem, porque acabamos por cortar, de uma forma ou de outra, no "consumo" destes inimigos do ambiente.

O que me deixa triste (e chateada, por nos quererem dar a volta) é que esta medida de agora se pagar 0,10€ por saco, seja apenas para encher os bolsos das grandes empresas. Ora passo a explicar-vos. O governo tinha aprovado a proposta de cobrar 0,10€ por saco naqueles sacos normais, fininhos, que viamos antes espalhados pelos supermercados. Esses sacos fininhos tinham menos de 50 microns, e era sobre esses mesmos que tinhamos de pagar os 0,10€, dinheiro esse que ia para o Estado. Como as grandes empresas são espertas e não lhes interessa a ecologia para nada, decidiram fazer sacos com mais de 50 microns (como por exemplo aqueles novos do Continente) e o dinheiro que cobram fica para eles, dado que o governo não legislou sobre isto.

Conclusão: estão-se todos a marimbar para a ecologia. Os ricos continuam a comprar sacos. Os pobres compram quando estão à rasquinha e os braços não chegam para carregar tudo porque se esqueceram dos sacos em casa. Vamos continuar a comprar sacos para os cocós dos gatos e para usar no lixo. Vamos continuar a comprar sacos. As grandes empresas vão ganhar ainda mais dinheiro, dinheiro que podia ser empregue em medidas ecológicas. O ambiente vai continuar na mesma. É preciso mais que isto, muito mais. Ser pseudo-ecologistas não chega.

Autoria e outros dados (tags, etc)


30 comentários

Imagem de perfil

De Maria Flor a 09.03.2015 às 15:32

Completamente de acordo! Nunca dão ponto sem nó...
Sem imagem de perfil

De Carlos a 09.03.2015 às 15:52

Os portugueses sempre aproveitaram muito bem os sacos de plástico, até eles se rasgarem.Dão muito jeito para transportar e guardar certas coisas.
A alternativa é comprar aqueles sacos fortes que agora os supermercados vendem muito volumosos ou abrir e muito os cordões à bolsa se quisermos algo mais prático.Se pensarmos bem um saco de plástico não pesa nada, usa uma quantidade de plástico diminuta.Uma garrafa de refrigerante pesa muito mais. No fim desde que seja tudo reciclado não estamos a sujar o planeta. Eles quando fizeram a legislação sabiam que não iam receber o dinheiro dos sacos por isso é que impuseram essa limitação na espessura do saco.
Imagem de perfil

De • Smartie a 09.03.2015 às 16:59

Infelizmente é sempre assim, têm sempre uma qualquer na manga...
Sem imagem de perfil

De Cris a 09.03.2015 às 19:07

Essa notícia já vinha no correio da manhã do dia 15 de Fevereiro, o dia em que começou o suposto imposto verde.
Imagem de perfil

De Carolina a 10.03.2015 às 14:51

Não fazia ideia, até porque não costumo ler o Correio da Manhã, mas que é verdade que a maioria das pessoas não sabe disto, isso é...
Imagem de perfil

De Sofia Sequeira a 09.03.2015 às 19:48

A medida não me afetou muito porque, tal como tu, já utilizava sacos trazidos de casa. Mas é chato que, para idas às compras à última da hora em que eu me esqueça de ir precavida, tenha de pagar um balúrdio para conseguir trazer as coisas para casa...
Enfim. Há coisas piores (este é o meu lado conformista tipicamente português a falar :p)
Imagem de perfil

De A-lupa-de-alguem a 10.03.2015 às 08:17

Eu trabalho no continente como operadora de caixa. E quando a distribuição de sacos era gratuita, as pessoas abusavam dos sacos, chegavam a levar um artigo em cada saco e ainda pediam sacos vazios para o caso de "algum se romper pelo caminho".
Agora tudo mudou, quando compram um saco de plástico levam tudo lá dentro.
Confesso que esta medida me agradou muito, mas fiquei muito triste de saber, que afinal o imposto vai é para as empresas. Sempre pensei, que sendo uma medida ecológica, o dinheiro dos sacos fosse para investir em alguma coisa relacionada com o ambiente. Desconhecia isto dos 50 microns. É triste que seja assim...
Ainda por cima quando algum cliente me dizia "o seu patrão agora obriga-nos a pagar os sacos" eu respondia que o dinheiro não ia para ele, mas para o estado...
Imagem de perfil

De Carolina a 10.03.2015 às 14:54

Apesar de nunca ter presenteado uma situação como descreve (até porque não trabalho em nenhuma superfície comercial) é verdade que as pessoas não têm qualquer preocupação ou atitude "ecologista". Acredito que a medida ajude, e muito, a controlar esse tipo de gasto excessivo dos sacos, mas não faz qualquer sentido que o dinheiro não seja empregado em medidas ainda melhores.
Imagem de perfil

De João Pedro a 10.03.2015 às 17:22

Boa tarde,

Eu também costumava, quando ia ao Continente, pedir ou utilizar sacos em demasia. Contudo, apenas o fazia pois os sacos eram biodegradáveis e gratuitos, e davam jeito para colocar todas as coisas que têm que ir para aterro, pois assim o tempo em que os mesmos pernaceciam em aterro era mínimo (a maior parte do que ia lá dentro era papel não reciclável).

Obrigado
Sem imagem de perfil

De Torras a 10.03.2015 às 11:01

Não percebo o raciocínio que apresenta neste post... então se a ideia é reutilizar os sacos, não é lógico que estes passem a ser mais resistentes?? (é que, desses sacos antigos, quantos é que já não vinham logo rotos?)

Mas não me vejam ao contrário: eu não concordo com esta medida (até porque: se os sacos antigos já eram biodegradáveis, a situação era assim tão problemática do ponto de vista ecológico? - admitindo que são poucas as pessoas que: 1, compram 20 produtos e pedem 40 sacos; 2, quando chegam a casa, e após arrumar esses 20 produtos, não atiram os sacos vazios janela fora...)

Quanto à ecologia, acho que "não vamos a lado nenhum" enquanto tivermos uma população com a mentalidade que tem... situação que observei já esta manhã: alguém que se deu ao trabalho de ir meter uma garrafa de plástico no contentor do lixo (vá lá, não a atirou para o chão!)... quando tinha, mesmo ao lado (literalmente!), o "plasticão".
Sem imagem de perfil

De João Mendes a 10.03.2015 às 11:19

Os sacos não eram nem são biodegradáveis... Somente degradáveis, o que equivale a dizer, grosso modo, que desaparecem se os pusermos a arder...
Sem imagem de perfil

De Torras a 10.03.2015 às 14:36

Ok, entendido.

No entanto...

Se os "sacos para lixo" (aqueles que se compram, exemplo no link abaixo - as minhas desculpas pela publicidade!) também são apenas degradáveis, então onde é que está a mais valia ecológica nisto de se passar a pagar os sacos? (mas, de facto, é como já foi comentado por alguém, num dos diversos debates sobre este tema: pode-se sempre despejar o lixo directamente para o contentor, sem usar saco nenhum - e tendo em conta a crise, será que não vamos ter mesmo isso a acontecer?)

http://media.continente.pt/Sonae.eGlobal.Presentation.Web.Media/media.axd?resourceSearchType=2&resource=ProductId=4899010(eCsf$RetekProductCatalog$MegastoreContinenteOnline$Continente)&siteId=1&channelId=1&width=512&height=512&defaultOptions=1
Imagem de perfil

De Carolina a 10.03.2015 às 15:00

Para isso existem os sacos de ráfia, para reutilizar nas compras.
Os outros, mais finos (que agora estão mais grossos), que falo neste post, sempre reutilizei e nunca tive problemas com a sua resistência, até porque costumo despejar o lixo todos os dias, não espero que o saco transborde e se rompa.

Infelizmente mentalidades são muito difíceis de mudar. Cá em casa sempre se fez reciclagem, reutilizou sacos e nunca sequer nos passa pela cabeça mandar lixo (ou seja o que for) para o chão! Se toda a gente fosse assim...
Sem imagem de perfil

De Teodoro a 10.03.2015 às 11:08

EXACTAMENTE! (com AO), ou seja a lei está tão bem feita como aquela coisa dos gatos que se apanhava com os sacos!!
Imagem de perfil

De Sofia Margarida a 10.03.2015 às 11:29

Não fazia ideia
Imagem de perfil

De Aerdna a 10.03.2015 às 11:55

Basta tentar entrar em contacto com a APA (Agência Portuguesa do Ambiente) para perceber que a sua protecção (ambiente) não é a prioridade, tal é a dificuldade.

Na realidade, a protecção do ambiente é um grande negócio. Começa com a triagem do lixo, que fazemos nas nossas casas com as melhores das intenções (e muito bem). Mas as empresas que recolhem esse lixo cobram-nos na factura da água esse serviço e ainda fazem negócio com o lixo: o papel é vendido para novos aproveitamentos, o alumínio idem, … e ainda poupam na mão-de-obra (afinal fazemos parte do trabalho em casa).
No caso dos sacos não podia ser diferente.
Se existisse uma real preocupação ambiental, as políticas preocupar-se-iam a controlar as grandes empresas, em obrigar ao fabrico de sacos com + de 50 mícron e não a criar taxinhas.

Esta é a minha opinião, que no ambiente há muita falta de informação e um grande aproveitamento financeiro.
Imagem de perfil

De Carolina a 10.03.2015 às 15:02

Concordo completamente, não podia ter dito melhor. O dinheiro está por trás de tudo, controla o mundo.
A questão da reciclagem tem muito que se lhe diga, e ainda me quero informar melhor sobre a situação, mas só pela sua descrição já dá para perceber muito bem que isto é tudo um negócio...

Comentar post


Pág. 1/2






Arquivo


Pesquisar

  Pesquisar no Blog




blogging.pt